Convite a quem nos visita

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Porque estamos no Ano da Fé (14)

O que a fé não é 
A fé não é um fanatismo religioso

O que é o fanatismo religioso? - Fanatismo religioso é uma forma de afunilamento em sentido único, absoluto, baseada na rejeição de qualquer outra ideia que não a da interpretação religiosa particular de quem o possui e depois considerando-se quem diverge ou pensa de modo distinto como inimigo. Não é próprio de nenhuma religião em particular, distingue-se de outras formas de fanatismo (por exemplo, o político e o ideológico) apenas por envolver uma religião ao invés de uma ideologia ou opção política. Devemos ser em absoluto contra qualquer forma de fanatismo...
O zelo intransigente mata a relação e é responsável por muito sofrimento causado pela marginalização e pelo abandono. A Igreja deve ter sempre a coragem de ser um espaço aberto onde a pluralidade e a diversidade são a sua maior riqueza. Por isso, não pode nem deve estar fechada sobre si mesma como se de um «ghetto» se tratasse nem muito menos alimentar para si o espírito de seita muito zelosa quanto ao número dos «mais fiéis» e «os restantes» são paisagem que se ignora.
Ninguém é dono de Cristo nem muito menos ninguém é dono da Sua Igreja. Todos os que formam a Igreja de Jesus Cristo convivem numa ideia comum, colocar as funções e os carismas ao serviço da comunhão e do bem comum para todos. Esta ideia é essencial para perceber que a diversidade não é para a Igreja uma fatalidade, mas antes um valor que a enriquece e a torna o verdadeiro Corpo de Cristo encarnado na história do mundo e da vida.
Neste mundo actual onde reina uma confusão geral de ídolos e de vícios que inferiorizam a pessoa humana, o melhor é compreender a fé não como um monopólio mas como um testemunho de felicidade. Se antes a fé se torna um refúgio de frustrações e uma mediação de combate de ideias ou de formas estereotipadas de ver as coisas da vida, não seduz mais ninguém nem muito menos será causa de felicidade e caminho de partilha das funções e dos carismas.
A fé verdadeira, aberta à diferença, nasce da percepção clara sobre a palavra de Jesus que anuncia um coração cheio de amor e de misericórdia para todos os homens e mulheres em todas as circunstâncias. Muito longe de qualquer fanatismo.
Em muitos momentos da nossa existência manifestamos intolerância e má compreensão face às atitudes e às palavras que os nossos irmãos utilizam. Tudo isto é fruto da prepotência que teimamos em cultivar no exercício dos cargos e das funções que nos compete assumir. Melhor seria que tudo fosse acolhido como dom de Deus, como serviço e sem qualquer sombra de interesse pessoal.
O Evangelho atesta muito bem que Jesus veio mostrar mais fez que ninguém tem o direito de se apossar de nada que pertença ao Espírito Santo. Todos os caminhos que a humanidade segue deve ser motivo de reflexão misericordiosa por parte dos cristãos com a maior das aberturas. Todas as manifestações humanas, por mais aberrantes que sejam, devem ser motivo de procura e de meditação para todos os que oram a Jesus pela salvação do mundo.
Não conduz a nada repudiar e recusar logo sem pensar e sem ternura nenhuma o que este mundo nos quer dizer. A nossa atitude deve ser antes a da escuta e a do acompanhamento para salvar e não para condenar logo de imediato. O exemplo de Jesus de Nazaré revela o quanto Ele é um Mestre na arte de compreender e de ensinar com amor. 
Porque, a religião ou liberta a pessoa humana, sem ferir ninguém, da sua miséria ou então não serve para nada. E todas as formas de religiosidade que impliquem sacrifícios de sangue ou de apagamento de quem quer que seja, está contra o Deus de Jesus Cristo, em quem nós depositamos a esperança de libertação até ao momento em que a felicidade será total e plena para toda a eternidade. 

1 comentário:

fernando disse...

Um gráfico com as cinco fases do fanatismo pode ser visto neste link:
http://1.bp.blogspot.com/-QG471nICXgs/UHC6CTiGq_I/AAAAAAAADHw/5_06LKvOc3Q/s1600/fases-do-fanatismo.jpg