Convite a quem nos visita

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

As mãos de Deus

Traduzo uma mensagem anónima que bem pode retratar aquilo que cada um de nós já sentiu alguma vez.
Quando observo um campo por lavrar, quando as alfaias da lavoura estão desprezadas, quando a terra está mal tratada, pergunto-me: Onde estão as mãos de Deus?
Quando observo a injustiça, a corrupção, o explorador do débil; quando vejo o prepotente a enriquecer às custas do pobre, do trabalhador ou do agricultor sem recursos para defender os seus direitos, pergunto-me: Onde estão as mãos de Deus?
Quando contemplo uma velhinha no esquecimento; ou os filhos órfãos de pais vivos sofrendo sozinhos no seu sofrimento, pergunto-me: Onde estão as mãos de Deus?
Quando vejo o moribundo na sua agonia cheia de dor ou observo o seu par desejando não vê-lo sofrer; quando o sofrimento é intolerável, pergunto-me: Onde estão as mãos de Deus?
Quando contemplo um jovem, outrora forte e decidido, mas agora embrutecido pela droga ou pelo álcool; quando vejo titubeante o que antes tinha uma inteligência brilhante e agora está em farrapos sem destino, pergunto-me: Onde estão as mãos de Deus?
Quando observo uma criança de madrugada a dormir à porta do centro comercial com uma caixa de pensos-rápidos por vender titiritando de frio ou quando a vejo a deambular sem alegria de viver, pergunto-me: Então Deus não faz nada?
Onde estão as Tuas mãos, Senhor, para lutar pela justiça, para dar um consolo, para resgatar a juventude ou para acalentar com ternura e amor todos os que sofrem?
Perante estas cenas, ó Deus, Tu não fazes nada?
E no meio deste desabafo, parece-me ouvir uma voz longínqua: “Como podes dizer que Eu não faço nada se eu te fiz a ti. As minhas mãos estão aí.”
E compreendo que as mãos de Deus somos TU E EU, SOMOS NÓS.
Dou-me conta que as minhas mãos estão vazias porque não dei o que deveria dar, não lutei o quanto podia nem amei como sabia.
O mundo precisa das mãos de Deus que se prolongam nas nossas mãos cheias de ideais, de coragem e de amor. Ele continua a sugerir. As tuas mãos são as minhas.
David Quintal

Sem comentários: