Convite a quem nos visita

quinta-feira, 1 de junho de 2017

O PENTECOSTES

Próximo domingo de Pentecostes...
A origem da festa do Pentecostes está intimamente ligada à Páscoa, celebrando-se sete semanas depois da Páscoa, quer dizer, no 50º dia após a Páscoa e, por isso, a tradução grega chamou-lhe Festa do Pentecostes ou festa do Quinquagésimo Dia.
No Antigo Testamento hebraico era designada festa das (sete) Semanas. Era a festa da colheita do trigo, enquanto a da Páscoa era a das primícias da cevada. "Depois, contarás sete semanas, a partir do momento em que começares a meter a foice nas searas. Celebrarás então, a Festa das Semanas, em honra do Senhor." (Dt 16,10-12). Inicialmente, tal como a Páscoa, o Pentecostes ligava-se à fertilidade dos campos. Com a história de Israel passou a ligar-se ao dom da Lei no monte Sinai, daí os rabinos lhe chamarem a Festa do Dom da Lei (mattan Torá). No tempo da primeira comunidade cristã, Jesus enviou o Seu Espírito (o Espírito Santo) precisamente na semana em que se celebrava a festa do Pentecostes. 
A descida do Espírito sobre os Apóstolos aconteceu no meio de fenómenos semelhantes à "descida" da Lei no monte Sinai, com o ruído de trovões, o fogo dos relâmpagos, fumo, sismo (Act. 2,1-4 e Ex 19,16-19). O Espírito de Jesus, que desce sobre o novo povo, é a nova Lei dos cristãos, mas este Espírito só desce depois do conhecimento da Palavra de Jesus. Concluindo, o Pentecostes é a festa do Espírito de Jesus, que nos vem da Sua Palavra conhecida, vivida, anunciada." Esta é a festa do Espírito Santo, que é o termo usado para traduzir o termo hebraico Ruach HaKodesh.
O Espírito Santo é o relacionamento entre Deus Pai e Deus Filho que é derramado no coração do homem e da mulher através dos sacramentos celebrados na comunidade dos irmãos, onde se experimenta a saudação fraterna, a comum união e a desvelação do transcendente. Aliás, elementos importantes para vencer na labuta do dia a dia para que encontremos sentido na palavra de Fernando Pessoa: «Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão». Por fim, fiquemos com esta oração ao Espírito Santo da Ir. Marlene Bertoldi:
«Vem, Espírito de Deus, enche os nossos corações com tua graça.
És o sopro de Deus que dá vida ao que está morto, que dá vida ao nosso ser e que nos tira do túmulo da preguiça e do comodismo.
És fogo que queima o que está errado em nós, que aquece nosso coração para amar, que ilumina nossa mente para entender.
Faze-nos conhecer Jesus Cristo que veio revelar o amor do Pai.
Faze-nos conhecer o pai e sua bondade infinita.
Faze-nos tuas testemunhas, instrumentos nas tuas mãos para que os corações dos homens se transformem e assim a terra se renove.
Para que reine a justiça e a paz, a solidariedade e o amor.
Para que o Reino de Deus se estenda cada dia mais. Ámen».
Só para lembrar os sete dons são: Sabedoria, inteligência, ciência, conselho, fortaleza, piedade e temor de Deus.
Breve explicação sobre cada um dos dons do Espírito Santo:
1 - A Sabedoria é o dom que faz o cristão perceber, intuir e gostar das coisas espirituais. Sente deleite nas coisas de Deus e por isso começa a temer a Deus, a respeitá-Lo mais. Diz o salmo que o temor de Deus é o princípio da sabedoria.
2 - O Entendimento é o dom do conhecimento, pois a pessoa consegue entender e conhecer aquilo que vai no coração e na mente das pessoas.
3 - O dom do Conselho: quem o possui consegue dirigir, orientar e aconselhar as almas para a sua própria salvação e felicidade. O dom do conselho que é dado pelo Espírito Santo não é inconveniente, interesseiro, não aconselha segundo a conveniência pessoal mas aconselha somente para o bem da pessoa.
4 - O dom da Fortaleza é também uma virtude. A virtude é um bem e um dom dado pelo Espírito Santo que diz "não" ao pecado, a uma boa proposta, à pressão social, a certas modas que prejudicam a vida espiritual do homem ou da mulher. O dom da fortaleza faz com que o cristão saiba resistir a certas influências sociais e não se deixe conduzir pela pressão do grupo social ou de amigos onde está inserido. Com este dom a pessoa mantém a sua personalidade, sendo aquilo que realmente é, conservando os valores cristãos.
5 - O dom da Ciência permite ao homem perceber e sentir, através da natureza e dos acontecimentos do dia-a-dia a presença e a linguagem de Deus.
6 - O dom da Piedade inclina o cristão à oração, ao louvor, à adoração, à contemplação; leva o cristão a sentir gosto pela oração, sentir desejo e gosto de estar com Deus, gosto em rezar e em falar com Deus através da oração.
7 - O dom do Temor de Deus leva-nos a ter consciência do bem e do mal e sabermos escolher sempre o bem para nunca estarmos contra Deus nem contra o bem do nosso semelhante, contra os animais e contra a natureza. Este dom está, em certa medida, associado ao dom da fé porque nos faz sentir e perceber que estamos na presença de Deus e, se estou na Sua presença, não quero pecar. O temor de Deus é um grande dom pois faz com que o homem faça tudo para não perder a graça de Deus, o Seu amor e a Sua presença. Por isso, o temor de Deus é o princípio da sabedoria.

Sem comentários: